Imagem do post 1

Sabia que o 13º salário pode ser o motivo das suas dívidas?


Começaram as orações dos trabalhadores brasileiros para a chegada do 13º salário. O problema é que todo ano é a mesma coisa, as pessoas ACHAM que sabem a forma mais certa de utilizar esse benefício: pagando as dívidas atrasadas, garantindo a felicidade das festas de final de ano e investindo o que sobrar.

Daí, começam as promoções de Natal, amigo secreto, reunião familiar e o que mais vemos por aí são pessoas que já começam o ano com a corda no pescoço. Essa falta de controle provoca altos índices de estresse, porque mal voltamos das festas e das férias, e velhos conhecidos nos aguardam na porta de casa: os carnês de IPTU e IPVA e os boletos das matrículas escolares, anuidades de sindicatos e de associações profissionais. Junto com eles, as primeiras prestações da festança nas compras de final de ano. Fica difícil manter a alegria e bem-estar que chegaram junto com o 13º salário, né?

Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) constatou que o brasileiro não sabe lidar com o próprio dinheiro. Segundo o documento, 85% da população faz compras sem planejamento e 74% não possui qualquer investimento fixo, nem mesmo caderneta de poupança. Esses dados não mudam quando o assunto é renda extra. Outra pesquisa realizada pela Associação Comercial de São Paulo demonstrou que 18% das pessoas não sabem lidar com o dinheiro extra.

Então, se você está monitorando sua conta bancária de hora em hora esperando o 13º chegar para colocar contas atrasadas em dia, pare agora! Você está com um ano de atraso em suas finanças e o 13º não tem como objetivo ajudar a cobrir o limite de crédito. Ele vem para te ajudar a pagar à vista os grandes gastos de início de ano, como contas do Natal, férias escolares, IPTU e IPVA.

A maior parte de nós concentra os gastos nas festas de fim de ano e essas dívidas serão nossos fantasmas por todo o ano seguinte, aguardando ansiosamente a chegada do próximo 13º para colocar a vida financeira em ordem. Em algum momento você já parou para pensar que isso é um ciclo? E o pior é que este ciclo é estressante e tende a crescer na direção das dívidas, não do equilíbrio financeiro.

Já passou da hora de dar um basta nisso, né? Se você tem dívidas terá que usar esse dinheiro extra para se livrar delas, mas não saia gastando o que sobrar, para não começar 2016 se equilibrando na corda bamba novamente. Pense no caso dos impostos, porque é muito mais vantajoso pagar à vista, com um desconto bacana.

Se sentir a tentação das compras se aproximar de você, imagine o novo ano com um orçamento mais leve, sem a obrigação de pagar essas contas em várias prestações e podendo planejar a realização de sonhos que ficariam no fundo da gaveta. Lembre-se que os compromissos estão atrasados porque, todos os meses, o excesso de gastos e prestações dificultou o pagamento das obrigações. Você quer passar 2016 vivendo os erros de 2015?

Segundo o escritor e consultor financeiro, Gustavo Cerbasi, o melhor a fazer é apertar o cinto uma vez na vida, sacrificar-se por alguns meses para deixar seu 13º livre para as grandes contas do início do ano. Você até pode usar a crise como desculpa para explicar à família a economia na ceia de Natal. O especialista ainda garante que, se conseguir se controlar desta vez vai ficar bem mais fácil manter as contas em dia e ter o próximo 13º totalmente disponível para os compromissos de início de ano, lá no começo de 2017.

Feche os olhos por 3 segundos e pense como seria incrível começar um ano sem dívidas, vivendo um ciclo próspero por muitos e muitos anos. Experimente, você só tem a ganhar!

Posts similares

Comentários