Imagem do post 1

Como lidar com o tempo familiar?


Recebi uma pergunta pelo facebook que achei interessante de compartilhar com os leitores, afinal essa pode ser uma questão bem comum:

“…tenho três filhos pequenos e minha esposa é bastante dependente de mim, muitas coisas que considero estar na esfera circunstancial é relativo a ter que sempre estar fazendo coisas para eles. Você tem alguma dica para lidar com esse exemplo?”

Em primeiro lugar é importante dizer que a classificação entre importante, urgente e circunstancial é algo extremamente pessoal. Para uma pessoa, ir ao supermercado pode ser totalmente circunstancial (algo feito sem vontade, por pura necessidade ou obrigação), já para outras pessoas pode ser algo importante. Não é cabível julgamento nessas situações.

Quando entendemos isso nos tornamos capazes de compreender porque muitas pessoas da mesma família brigam, criam conflitos desnecessários ou até começam a se anular nas relações. O simples fato de termos percepções diferentes da tríade das atividades diárias é fator de confusão. Esse conceito se aplica tanto para uma empresa, uma equipe ou na sua casa.

Baggio-420x0

Para mim, ir ao supermercado é uma atividade circunstancial, é chato, não tenho o menor prazer em fazer isso. Eu vou porque a minha esposa sempre me pede com aquela cara de agente de imigração e assim fica difícil escapar (as vezes o ‘não’ funciona). Isso não vai mudar para mim – pelo menos não agora. Por outro lado, tenho amigos que amam ir ao supermercado (em geral os cozinheiros), ou seja, é super importante, divertido para eles. Classificação da tríade é algo muito pessoal.

O problema é quando você só faz coisas circunstanciais e nem coloca a sua opinião na relação. Aí fica desgastado, chato e dá aquela vontade de sumir. Só que a outra parte, que está só em casa, tocando o dia a dia, também fica cansada e cheia de coisas que acha que o outro deveria fazer. Em alguns momentos você tem que ceder, em outros precisa aprender a dizer não e certas situações exigem que ambos cheguem a um consenso.

Uma boa forma de trazer essa questão à tona é justamente escancarar as atividades. Sentarem juntos um dia e listarem tudo que o casal, a família realiza. Com os nomes de quem tem sido o responsável pela execução (isso pode te chocar pois em geral a lista é bem desbalanceada) , depois classifiquem as atividades de acordo com a Tríade. Feito isso e analisando as atividades vejam o que pode ser delegado, o que você pode ceder e o que o bom senso pode ajudar.

Inclua também atividades de lazer, passeios, planos de viagem, etc. Essas atividades prazerosas no meio da rotina agitada são estimulantes e fortalecem os valores do casal e da família nos momentos difíceis.

Você deve reservar um tempo para isso na sua agenda, esse tempo para fazer as atividades da família. Sejam elas importantes ou circunstanciais.

Não dá para ter 100% de importante, isso é irreal, mas se ele for maior e bem negociado, as outras prioridades e a vida como um todo pode ficar muito mais fácil.

Pense nisso!

Posts similares

Comentários