Imagem do post 3

Entrevista com o Sr. Eduardo Carvalho


Conheci o Eduardo através do meu amigo Miguel Cavalcanti, acabamos criando uma amizade que gerou alguns negócios em conjunto e indicações. O Eduardo é o tipo de cara networking e com um alto grau de sabedoria. É outra enciclopédia de livros e de web. O interessante é que na empresa dele, tudo é 100% Web, do Office ao CRM… Segue a entrevista:

1 – Quem é Eduardo Carvalho?
É o que estou tentando descobrir. 😉 Estudei Administração de Empresas na GV. Antes da faculdade, sempre quis fazer administração. Mas, durante o curso, fiquei em dúvida. Comecei a fazer História na USP, pensei em ser jornalista, prestei várias vezes, para ir treinando, o concurso do Rio Branco, para ser diplomata. Também gostava muito de literatura, escrevi colunas para o jornal da faculdade e, durante o período da GV quase inteiro, mantive uma coluna no Digestivo Cultural, onde escrevi sobre vários assuntos – livros, filmes, viagens, São Paulo, etc. Fui gostar de administração – e a gostar muito – quando comecei a trabalhar e a ver as coisas acontecendo na prática. Hoje sou sócio de uma incorporadora, a Sabiá Residencial, e tenho um blog em que escrevo todo dia sobre os assuntos mais diferentes.

2 – Como nasceu a idéia da empresa?

Trabalhei quatro anos com meus sócios em outra incorporadora, que ajudamos a montar. Tive a sorte de começar a trabalhar com pessoas que admiro muito. Nessa outra empresa, aprendemos bastante sobre o mercado imobiliário. Ele é enorme, interessante, mas em geral as empresas ainda tem uma gestão pouco profissional e os produtos estão atrasados com relação a outras indústrias. Víamos aí uma oportunidade, principalmente no segmento mais econômico (que não era o que atuávamos). Acreditamos que dá pra fazer um produto barato, acessível, e ao mesmo tempo bonito, com boa arquitetura e construção. É um desafio enorme (escrevi aqui sobre algumas dicas fui acumulando nesse processo). Mas conseguimos fazer bastante coisa nesses dois anos. Também tem sido divertido – e montamos uma equipe excepcional, que é o mais importante.

3 – Como você gerencia seu tempo diariamente? Como é sua rotina semanal?

Minha principal estrutura é a do Getting Things Done e aquelas quatro listas: para fazer o mais rápido possível, aguardando, projetos e um dia/ talvez. Tenho uma dessas para pessoal e uma para profissional. Faço minha revisão semanal às sextas no final do dia. Uso o Basecamp pra trabalho em equipe e o Remember The Milk para tarefas, que sincronizo com o BlackBerry e o Google Calendar.

4 – Quais são os maiores vilões da sua produtividade e como tenta lidar com eles?

Primeiro, email: é muito fácil mandar email e dá uma sensação de que o trabalho está acontecendo. Mas as coisas podem ser comunicadas sem precisão e demoram-se às vezes dois dias para matar um assunto que um telefonema de três minutos pode resolver. Me esforço para manter um inbox zero e tenho usado mais o telefone. Reuniões também são complicadas: demoram mais do que poderiam, fogem da pauta e deixam assuntos importantes em aberto. Para evitar isso, faço a pauta antes e envio para a equipe pelo Google Docs, para todo mundo saber mais precisamente o que precisamos resolver e para incluir lá o que quer discutir antes.
5 – Você é um case impressionante de gestão de conhecimento. Como você se faz para se manter atualizado?

Não sei se sou um case nisso, mas vamos lá: basicamente leio os jornais de manhã, revistas no final de semana e blogs quando tenho alguns minutos – à noite, no fim de samana ou no BlackBerry. Assino o Estadão e o Valor e gasto uns 15 minutos por dia com os dois. Revistas, assino a Exame, a Época Negócios, a Economist, a New Yorker a Geographical. Gosto muito também da Fast Company e da Portfolio. Leio vários livros ao mesmo tempo, antes de dormir e em finais de semana (uma vez, aliás, escrevi sobre como ler mais em finais de semana e feriados).

6 – Quais os 10 blogs que você costuma a ler e recomenda?

Há dois meses a lista seria um pouco diferente, mas hoje, em ordem alfabética, é esta:

  1. Ben Casnocha – http://ben.casnocha.com
  2. Brad Feld – http://www.feld.com
  3. Daniel Piza – http://blog.estadao.com.br/blog/piza
  4. Digestivo Cultural – http://www.digestivocultural.com/blog
  5. Marginal Revolution – http://www.marginalrevolution.com
  6. Michel Laub – http://michellaub.wordpress.com
  7. Pedro Doria – http://pedrodoria.com.br
  8. Scott Berkun – http://www.scottberkun.com/blog
  9. TED – http://blog.ted.com
  10. Todoprosa – http://colunistas.ig.com.br/sergiorodrigues

7 – Quais os 5 livros de negócio e produtividade que todo mundo deveria ler?

Não diria que “todo mundo deveria ler”, mas são os que mais me influenciaram:

  • The Art Of Project Management, do Scott Berkun. Incluiu todos os assuntos ligados a como colocar uma idéia em prática: do cronograma a como lidar com politicagem corporativa, passando por como escrever um bom email. É uma bíblia gerencial. E, aliás, muito bem escrito e com passagens divertidas. Agora o livro foi rebatizado como Getting Things Done, que é mais simpático e tem mais a ver com o seu espírito.
  • The Future Of Management, do Gary Hamel. Hamel disseca empresas como a Gore, Whole Foods e o Google e mostra que algumas teorias de management não são estáticas e podem ficar ultrapassadas, como a estratégia de longo prazo, o foco num mercado, a compra em escala, etc. É um livro que inspira a procurar soluções gerenciais novas para um mundo que mudou.
  • Double Your Profits, do Bob Fifer. É um livro com 78 dicas rápidas para cortas custos, aumentar as vendas e outros assuntos gerenciais – equipe, remuneração, estratégia, etc. Bob Fifer é de um bom senso impressionante e o livro é escrito com uma falta de cerimônica incrível, raríssima nesse tipo de literatura. Para ler em poucas horas e reler sempre.
  • The Art Of The Start, do Guy Kawasaki. Guy é o guru do Vale do Silício. Seu livro é um antídoto àquelas aulas de empreendedorismo que não saem do business plan. Guy é muito engraçado e seu livro é cheio de dicas úteis, da composição do conselho ao desenvolvimento de produto. Sua principal insistência, porém, é esta: execute.
  • Getting Real, da 37 Signals. É um livro sobre como desenvolver um sistema web mas que serve para qualquer assunto. É cheio de passagens preciosas e às vezes um pouco polêmicas sobre gerenciamento de projetos, lançamento de produtos, relacionamento com clientes, etc. É sobre como fazer menos e fazer melhor.

8 – O que você faz para equilibrar seu tempo?

Faço esporte quase todo dia – natação, corrida, academia -, leio alguma coisa, vou ao cinema, saio com amigos, viajo, etc. Tenho uma rotina bem normal, mas já foi um pouco diferente. Não sei se mais puxada, mas eu lidava com ela de forma mais ansiosa. Esse equilibrio, no fim, é uma questão muito particular. Tem gente que aparentemente vive uma vida corrida, desequilibrada, mas não por isso está cansada ou quer mudar. Tem que vive uma vida tranquila, apática, e é ansiosa porque as coisas não acontecem – e tem gente que vive muito feliz nessa tranquilidade. É preciso buscar esse equilíbro, mas não acho que em só em “horas de trabalho” e “horas de lazer”. Acho que forma como lidamos com os problemas e como aproveitamos os bons momentos fazem toda a diferença. Tento sempre melhorar nisso.

9 – Você se considera uma pessoa que tem equilíbrio e resultados? Ou tem resultados mas não tem equilíbrio? Qual a sua composição?

Acho que consigo executar as minhas coisas sem me afogar no trabalho. Mas tenho melhorado na administração da minha rotina. É um exercício constante. Umas das coisas que eu mais sentia falta, até recentemente, era de tempo livre de verdade, sem nada na agenda. Mesmo meus finais de semana eram cheios de compromissos. Um livro que me ajudou nisso é Esperando o fim de semana, Witold Rybczynski, que me ensinou a aproveitar melhor esses dias. Tento trabalhar e me divertir, sem que uma opção exclua a outra – e de preferência fazendo essas duas coisas ao mesmo tempo.

Posts similares

Comentários