Imagem do post 2

Exercendo o Empoderamento Pessoal no dia a dia


Empoderamento pessoal. Uma expressão bastante comum atualmente.

 

Nas minhas andanças como jornalista, ouvia uma parecida: Protagonismo Pessoal. No caso específico, a ideia era promover condições para os cidadãos e artistas da periferia mostrarem sua arte e seu valor e mostrar como poderiam fazer a diferença naquela realidade tão dura, na maioria das vezes.

 

Quando conheci o coach, como coachee no começo e depois como coach, passei a ouvir Empoderamento Pessoal, além, claro, de ouvir isso nas questões relacionadas à maternidade e universo feminino. Sim, sim. Sou essencialmente uma mãe que trabalha e estou inserida nesse universo também.

 

Na verdade, o que vejo hoje nas minhas experiências pessoais e profissionais é que Protagonismo e Empoderamento são termos muito próximos, cujo sentido só se completa com a Organização Pessoal Interna, através do autoconhecimento. Traduzindo: Ser uma pessoa Empoderada, ter o poder de decidir a própria vida sem contar com a aprovação alheia e construir a sua história, sendo Protagonista e não coadjuvante, só é possível quando nosso autoconhecimento permite o mínimo de Organização.

 

Hoje atendi uma cliente que quer empreender e não sabe por onde começar. Em uma trajetória relacionada à minha expertise, lembrei a ela que é fundamental definir público e serviços, porém com a observação de que para isso é basilar saber qual objetivo com o negócio e as possibilidades reais de prestação de serviços ela tem, baseada nos desejos dela atualmente. Para ela saber o que está dentro das possibilidades pessoais e familiares dela hoje, para prestar serviços, é necessário se autoconhecer.

 

O Autoconhecimento é a chave para a Organização Pessoal. Apenas com o desenvolvimento dele podemos saber e dizer claramente o que queremos ou não, e de forma empoderada e protagonista, assumir as consequências das escolhas cujo risco já foi calculado (ou deveria ter sido, pelo menos).

 

Para exercitar o empoderamento, informação é fundamental, independentemente do tema. Ela propiciará a consciência sobre as escolhas, os ônus e bônus, causas e consequências de optar por aquele caminho e não por outro.

 

Quando exercemos o empoderamento, o protagonismo vem sabermos o que estamos fazendo. Qual a melhor fonte de informação para as nossas escolhas que não seja nós mesmos? Com autoconhecimento, comparamos o universo de possibilidades com nossa essência, sonhos e objetivos. Aí sim poderemos traçar metas, planos e projetos a curto, médio e longo prazo e assumir de peito aberto o que deles vierem.

 

Joana D'arc Souza - Consultora e Coach de Organização Pessoal

Posts similares

Comentários