Imagem do post 1

Socorro, não quero repetir os mesmos erros!


Em algum momento da sua vida, certamente, você já deixou de conquistar algo por repetir os mesmos erros que já havia cometido antes e ficou com aquela sensação de ter ‘passado a perna em si mesmo’. Não, isso não acontece porque existe uma nuvem negra que te acompanha, nem por ‘olho gordo’ ou provações da vida. Isso acontece, porque você pode estar viciado, sabia? Não se desespere, nem pare de ler. Vai fazer sentido o que vou te explicar.

repetir os mesmos erros

Você já se perguntou por que continuamos recriando a mesma realidade? Por que continuamos tendo os mesmos relacionamentos? Diante de tantas possibilidades que existem à sua volta, você insiste em repetir os mesmos erros?

Experimentos científicos mostraram que o nosso cérebro não sabe a diferença entre o que vê no ambiente e o que lembra, porque nas duas situações os mesmos neurônios são ativados. Então, ele constrói tudo o que sabe a partir de memórias associativas. Ou seja, o que algumas pessoas entendem como amor, por exemplo, é resultado de ligações neurais criadas a partir de muitas memórias diferentes. O amor pode estar ligado ao desapontamento, então quando a pessoa pensa em amor, experimenta a memória da dor, mágoa, raiva e até ira.

A mágoa pode estar ligada a uma pessoa específica que desperta memórias associadas ao que o cérebro registrou como amor e, desta forma, criamos modelos de como enxergamos o mundo exterior. Quanto mais informações temos, mais esses padrões se fortalecem. Se você sempre ficar com raiva, frustrado, ou sofrer e se fizer de vítima, vai viciar seu cérebro a esta emoção.

Isto quer dizer que as emoções são coisas ruins? Claro que não! Elas servem para reforçar quimicamente sua memória. Então todas as suas emoções representam o “desenho” da química de imagens gravadas na sua cabeça para formar quem você é. A repetição de certos padrões – como, por exemplo, entregar projetos atrasados – tem como objetivo nos manter no campo “do conhecido” e ratificar nossa personalidade, além de atualizar traumas inconscientes.

Nesta hora que o vício se instala, porque é algo que você não consegue parar. Daí você começa a criar situações para suprir as necessidades bioquímicas das células do seu corpo, situações que satisfaçam as necessidades químicas. Um viciado sempre precisará de um pouco mais para poder satisfazer sua necessidade química, então se você não consegue controlar seu estado emocional, você está viciado sim! As pessoas não percebem que quando descobrem que são viciadas em emoções não é algo apenas psicológico, mas bioquímico.

A heroína, por exemplo, utiliza os mesmos receptores nas células que as nossas emoções. E, se você pode viciar em heroína, pode viciar em qualquer peptídeo neural, ou qualquer emoção.

Mas não criemos pânico… Você não precisa repetir os mesmos erros para sempre! Na psicanálise acredita-se que dá para romper com estes ciclos viciosos investigando a origem dos padrões ou traumas. Também existem estudos de cognitivo comportamental que mostram que mudarmos um comportamento externo, provoca mudanças internas. Já algumas filosofias orientais sugerem que ao meditar nos conectamos com o presente e impedimos nossa mente de vagar em dois tempos que não existem: o passado (origem da repetição) e o futuro (necessidade de manutenção da repetição). Para Patañjali, pai do Yôga (150 d.C), para aniquilar pensamentos, sentimentos e comportamentos nocivos nós devemos substitui-los por outros opostos.

A mente precisa de treino. É preciso ensiná-la o que queremos. E muitas vezes só conseguimos isso mudando de comportamento. Então, não consegue parar de se boicotar na carreira ou na vida afetiva? Mude a alimentação! Ao perceber que conseguiu mudar algo, a mente, aos poucos, vai se preparando para mudanças maiores. Não consegue parar de pensar em problemas? Resolva os menores, como um documento que está vencido, uma lâmpada queimada.
O importante é compreender que o caminho da lamentação só vai trazer mais sofrimento e a criação de barreiras cerebrais que vão transformar passado, presente e futuro numa história triste da qual você pode não sair nunca mais. É esse erro que você quer repetir?

Clique aqui e leia mais algumas dicas para treinar seu cérebro. Depois clique aqui e aprenda 7 estratégias para mudar padrões e não repetir os mesmos erros.

Posts similares

Comentários