Imagem do post 3

Qual o recurso que mais falta aos executivos? by Iussef Zaiden


balance2Se você conversar com executivos, eles vão lhe dizer que o recurso de que mais sentem falta é tempo. Todos os minutos são gastos atracando-se com problemas estratégicos, focalizando a atenção na redução de custos, criando novos esquemas para mercados novos, enfrentando novos concorrentes. Mas se olhar para eles, aqui está o que você verá: eles correm de reunião para reunião, verificam seus e-mails constantemente, vivem apagando incêndios e fazem incontáveis telefonemas. Em resumo, você verá uma espantosa quantidade de atividades, todas exigindo rapidez e agilidade extraordinárias, que não deixam tempo livre para reflexão.

Sem dúvida, os executivos vivem sob uma pressão inacreditável para apresentar resultados. E têm coisas demais para fazer, mesmo considerando seus dias de 12 horas de trabalho cada. Mas o fato é que poucos são os gerentes que utilizam seu tempo tão eficazmente quanto poderiam. Acham que estão atendendo a questões imperativas, mas na realidade estão rodando a mil por hora sem sair do lugar.

A percepção de que a ocupação improdutiva _ aquilo a que nós chamamos de “desatividade ativa” _ é um risco para gerentes não é coisa nova. Os próprios gerentes lamentam o problema e pesquisadores como Jeffry Pfeffer e Robert Sutton já o examinaram. Mas a dinâmica que está por trás desse comportamento é bastante desconhecida.

Nos últimos dez anos, estudamos o comportamento de gerentes ocupados em quase uma dúzia de empresas grandes, incluindo a Sony, a LG Eletronics e a Lufthansa. Os gerentes da Lufthansa foram especialmente interessantes para nós, porque na última década a empresa passou por uma transformação completa _ oscilando de um estágio de quase falência nos primeiros anos da década de 1990 para um lucro Record de 2,5 bilhões de marcos alemães no ano 2000, graças em parte à liderança de seus gerentes. Entrevistamos e observamos cerca de 200 gerentes da Lufthansa, cada um deles envolvido em pelo menos um dos 130 projetos lançados para restaurar o status da empresa, sempre exaltada como um dos ícones empresariais da Europa.

Nossas conclusões a respeito do comportamento dos gerentes devem amedrontar os leitores: 90% dos gerentes desperdiçam seu tempo em todas as espécies de atividades ineficientes. Em outras palavras, somente 10% dos gerentes aplicam o seu tempo de uma maneira refletida, determinada, com empenho total.

Bem, quero dizer aos leitores, que lendo este artigo, antes de compartilhar com vocês, fica cada vez mais certo que um dos maiores problemas que temos na vida é a falta de tempo, mas porque nos falta um propósito claro de onde a organização e pessoas querem chegar.

A Visão e a Missão das organizações são negligenciadas na hora de propor suas Metas e Objetivos, isto também, se aplica as pessoas.

Para reflexão: Qual o seu propósito? Qual o seu legado?

Boa semana a todos.

By Iussef Zaiden

Posts similares

Comentários