Imagem do post 1

Viciados em velharias: Dê adeus aos anos velhos e seja feliz no Ano Novo!


Tenho certeza que em algum momento da sua vida você já foi uma daquelas pessoas que lembra do passado com um saudosismo melancólico que quase traz com as lembranças a trilha sonora daqueles filmes muito velhos que passam de madrugada na TV aberta. Nada contra esses filmes, que fique bem claro. Acho que todo mundo tem direito de ser nostálgico e, de certa forma, essas memórias comprovam que sua vida teve vários episódios dignos de serem eternizados.

A questão é que tem gente que leva o saudosismo até as últimas consequências. Perde horas e horas quase todos os dias (não adianta se prender ao detalhe de que não são todos os dias) revivendo a infância, adolescência, a época que não tinha barriga, quando tinha menos contas para pagar, os dias de sol que passava na praia tomando cerveja, aquele emprego bacana que trouxe muitos amigos queridos, antes de ser pai ou mãe e a casa vivia arrumada…. Puxa, posso dar tantos exemplos que só de mencioná-los já é possível ouvir a música melancólica tocando dentro da cabeça.

Existem também aqueles que acham que tudo de antigamente era melhor. São viciados em velharias. As músicas de antigamente, os filmes, escritores, as escolas, os jovens, as crianças e tudo mais do passado era melhor. Será mesmo? Era tão bacana viver lá atrás quando lá atrás era hoje?

Para esses momentos existem três citações que definem tipos bem distintos de pessoas:

“Nossa, eu era feliz e não sabia! ” – E agora, pessoa? Não é feliz? Não tá bacana? Vai perder quanto tempo com essa lamúria? Quanto mais tempo você gasta relembrando o passado sem construir nada para melhorar a situação atual, mais incrível o passado ficará e mais chato e fracassado você também se tornará.

“A minha época que era boa! ” – Então quer dizer que agora não é mais sua época? Você é um fantasma da sociedade contemporânea? Só nos explique por que isso te traz tanto orgulho? Entendo que ter vivido uma época diferente da atual é prazeroso por saber que aquele obstáculo foi ultrapassado, mas acreditar que aquela era a sua época e não o hoje soa meio insano, você não acha?

“Ah, se eu pudesse voltar no tempo…” – Comecemos pela parte lógica de que isso não é possível, portanto você não deveria gastar nem um segundo do seu dia criando esta hipótese, mas vamos entrar nessa loucura saudosista que as pessoas se propõem e pensar o que realmente aconteceria se você pudesse voltar no tempo. Sabe da maior? Você só faria bobagens! Porque somos frutos de nossas experiências e reescrevê-las faria com que aqueles aprendizados não existissem e você perdesse uma chance enorme de evoluir.

Em uma pesquisa recente, psicólogos concluíram que só vivemos 5% do nosso tempo no presente. Os resultados também mostraram que 70% do nosso tempo é dedicado ao passado e 25% ao futuro. A partir destes dados fica bem mais fácil compreender porque as pessoas vivem insatisfeitas, porque o número de depressivos aumenta todos os dias e o estresse domina nosso tempo e se torna a válvula de escape que faz com que paremos de pensar.

Viver no passado e/ou futuro é o mesmo que não viver, afinal essas realidades são puramente imaginárias. Não dá para refazer o que foi feito ou aproveitar oportunidades que deixou passar. Feche as gavetas do passado, pare de remoer seus erros e utilize todo seu foco e determinação para ter coragem de largar o sofrimento e construir seus resultados.

Outro momento que consome nosso tempo desnecessariamente é a ansiedade. Esta preocupação em manter-se sempre preparado para o que vier faz com que o hoje não seja construído e o amanhã seja, consequentemente, caótico.

Existem dois dias do ano em que você não pode fazer nada: o ontem e o amanhã. Então, antes do dia 31 de dezembro chegar e você ficar relembrando com saudosismo do que viveu ou sentindo um medo enorme do que está por vir, assuma o controle da sua existência e se liberte.

Se você entendeu a função do AGORA e decidiu finalmente começar sua libertação, clique aqui e viva O Melhor Ano de Todos.

Posts similares

Comentários