Redes Sociais: Saiba o seu limite.

Muitas empresas tem se questionado sobre o uso do Facebook e outras redes sociais durante horário de expediente, algumas criam regras rígidas de controle e outras simplesmente liberam o uso. Em minha opinião eu acho que o caminho do meio é a saída, nem liberar demais nem apertar muito. Eu sou favorável a liberação, mas de forma controlada, por meio da determinação de horários, limites de tempo de uso, volume de dados trafegados, etc. Não existe mais essa história de bloqueio total, a não ser que você reviste o bolso das pessoas e as impeça de trazer seu celular para o trabalho, não é verdade?

O problema não está em liberar, o problema está em desenvolver nas pessoas o senso de limite para a utilização do Facebook e outras redes. Eu acho que a redes sociais são como uma droga, elas viciam, pois geram prazer na sua utilização de alguma forma. Se não fosse positivo em algum sentido as pessoas não o fariam.

O problema é que algumas pessoas não conseguem desenvolver um limite individual e com isso acabam prejudicando a produtividade diária sem ao menos perceber.

vicio-redes-sociais

Na Triad PS temos tudo liberado, acredito profundamente na capacidade individual da minha equipe, de julgamento do que é realmente importante no momento certo.

Não ligo nem um pouco ao ver um colaborador no chat no Facebook, porque tenho a certeza de que depois de algum tempo ele retornou mais focado para terminar a prioridade. O problema é se o chat vira prioridade e consome longas horas no dia. Isso pode prejudicar significativamente a execução, gerar uma série de atrasos, os e-mails acumulam, a sensação de atraso e de correria só aumentam. Neste momento é fundamental que você perceba que a rede social está fazendo mal para sua performance; sendo assim, este é o momento de parar.

Minha gerente comercial passou por esse processo; ela ficou viciada no Facebook. Isso começou a prejudicar a conclusão das tarefas, até o dia que ela disse: “Parei! Está me atrapalhando”. A partir desse dia, ela restringiu o acesso aos horários de almoço e lanche para ver as atualizações e, com isso, restaurou o controle que tinha sobre o seu tempo.

É isso que você precisa desenvolver; o seu senso de limite. Para conseguir perceber quando a rede social te ajuda e quando está prejudicando. Uma hora ou outra, ver seu Facebook será positivo, para arejar as ideias, pensar em outra coisa, etc. Inclusive, podemos denominar estes momentos como o ócio criativo do Domenico de Masi, mas o excesso vira o que eu chamo de circunstancial – perda de tempo e, principalmente, de resultados.

Aprenda a se vigiar e, caso não consiga fazer isso sozinho, peça para alguém fazer isso por você, em um primeiro momento.

Vamos andando?

Este post tem um comentário

  1. Andre

    No meu caso eu era viciado em ficar no facebook ficava horas nele e praticamente estava me prejudicando no trabalho quanto nos estudos. A medida que eu tomei foi mexer no facebook no minimo 1 hora por dia e dividi ele em partes tipo 20 min por volta das 10 da manha para ver se tinha alguma mensagem 20 min no final da tarde por volta das 17 horas e outra por volta das 21 horas pra mexer um pouco e vou falar acho que depois disso melhorou bastante a minha produtividade.

Deixe um comentário